Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Para enfrentar a epidemia de obesidade e outras doenças crônicas, governos de todo o mundo passaram a regular os alimentos ultraprocessados, como salgadinhos e refrigerantes, que geram enormes custos aos sistemas de saúde. “Alimentação em Jogo” desvenda as estratégias de lobby em torno da pioneira iniciativa da Anvisa de regular a publicidade de alimentos não saudáveis no Brasil. O livro também alerta para o perigo de o país ficar para trás na corrida pela regulação dos alimentos ultraprocessados, num contexto em que o tema deverá estar no centro dos debates de saúde pública no Brasil e no mundo.

“Como Hegel pensou o capitalismo?”. Essa questão, em termos mais estritos, diz respeito ao modo como Hegel pensa a economia de mercado. Ele apontou que a sociedade burguesa, devido a sua dinâmica interna e bom funcionamento, produz pobreza e como essa pobreza produz uma classe que dela se deriva, a plebe. Hegel elenca algumas soluções passíveis de corrigir esse problema. No decorrer da obra mostra-se como o problema se aprofunda, pois Hegel vincula a plebe à Revolução Francesa, e posteriormente, o autor expõe sua resposta ao problema da pobreza e da plebe, mostrando como é possível harmonizar as várias observações de Hegel numa espécie de todo coerente. Tenta-se mostrar, por fim, a relevância de Hegel para pensar o capitalismo contemporâneo de uma perspectiva reformista.

Patrimônio natural, cultural e histórico de São Paulo, a Vila de Paranapiacaba se destaca dentro da região macrometropolitana como um território ímpar por sua história, relevância patrimonial e ambiental. Diante da possibilidade de implantação de um empreendimento logístico de grande porte nos arredores dessa área, refletir sobre o impacto socioambiental dessa intervenção em diferentes escalas requer um olhar crítico que contemple e alie saberes técnicos e populares no entendimento do problema, dos conflitos e das possibilidades de desenvolvimento compatíveis com as especificidades locais e regionais. Essas são algumas das questões abordadas nesta obra que é um alerta e um chamado para ação, retratando o esforço conjunto e interdisciplinar de pesquisadores e moradores da Vila de Paranapiacaba.

O Brasil pós-recessão: das origens da crise às perspectivas e desafios futuros” traz uma série de interpretações sobre o Brasil nos anos 2010. Tida como a terceira década perdida do país nos últimos 40 anos, o período 2010-2019 foi palco de três eleições presidenciais, um impeachment, das manifestações de junho de 2013, da eleição da extrema direita em 2018, da recessão de 2015-2016, da estagnação econômica de 2017-2020 e do desemprego recorde pós-2016. A década foi, mais do que nunca, uma soma de subperíodos bem diferentes.

Este livro reúne as vantagens do rigor acadêmico com o sabor dos relatos políticos, tornando-o muito expressivo dos processos decisórios da era FHC. Teoria, dados e história política unem-se para construir uma interpretação original sobre a reforma previdenciária. A intuição do autor, qualidade imperiosa do cientista social, levou-o a perguntar qual seria o papel de grupos externos ao sistema propriamente político nos destinos da reforma.

LANÇAMENTO

Terceiro da série “Contém Química”. Como a química é vista como antítese a tudo que é natural, este volume é totalmente dedicado à química das plantas. Mostra como as plantas têm sido usadas no tratamento de diversas doenças e como são a fonte de novos medicamentos. Como podem fazer bem à saúde e à alma, através de óleos essenciais e perfumes. Mas, procura evidenciar também que, embora “naturais”, as plantas podem ser tóxicas. Trazemos elementos químicos que ingerimos em alimentos, mas que podem ser essenciais ou danosos.

Fim do conteúdo da página