Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Neste livro o leitor encontra uma miríade não exaustiva e não exclusiva, mas interessante e sugestiva, de temas e questões que estão no cerne da discussão sobre o desenvolvimento, sobretudo falando de um país periférico como o Brasil. Este é um trabalho coletivo de professoras e professores de diferentes áreas e cursos, e oriundos de formação acadêmica também múltipla. Os dez capítulos apresentados nesse livro representam novos passos, dados por este grupo, em busca de uma abordagem integrada dos temas que pautam a sua atuação.

Baseado nas oficinas sobre a temática da gestão de riscos e desastres, o livro conta com 10 capítulos que abordam, a partir do conceito de pesquisa-ação, técnicas e metodologias com foco em práticas colaborativas, aprendizagem social e coprodução de conhecimento. Tais ações tiveram por objetivo principal a validação e a construção de novos métodos com enfoque na identificação, análise e espacialização de riscos ambientais urbanos, bem como para a proposição de medidas estruturais e não estruturais para sua redução. As oficinas foram oferecidas a técnicos e gestores das prefeituras dos cinco municípios da Bacia do Juqueri e do CIMBAJU.

Conheça as histórias de mulheres cientistas, viajantes, que excursionaram pelo Brasil em meados do século XX, com o propósito de realizar pesquisas científicas e estudos variados, fotografar, registrar costumes, inventariar recursos e espécimes naturais, reunir artefatos e coleções para museus diversos, consolidando assim viagens de exploração ainda pouco associadas às mulheres nas histórias mais tradicionais sobre práticas científicas. Em um universo de disciplinas científicas em construção e de instituições que começavam a se acostumar com a presença de mulheres, essas pesquisadoras se aproveitaram de diferentes estratégias para consolidar seus objetivos profissionais.

Obra que discute a recepção da filosofia de Nietzsche por Max Horkheimer, formulador da noção de “teoria crítica”, tomando como fio condutor a sua investigação de aspectos da constituição subjetiva que vão na direção oposta da autonomia e envolvem a fixação pela autoridade, o ressentimento, a agressividade das massas e a prevalência de uma irrefletida racionalidade adaptativa e conformista. O tema é abordado principalmente com base nos escritos dos anos 1930 e 1940 nos quais Horkheimer desenvolve uma leitura de Nietzsche que enfatiza o seu vislumbre e a sua crítica a tendências psicológicas que apontavam para além de seu tempo e teriam culminado na adesão das massas ao fascismo.

Rotineiramente ouvimos a expressão “meio ambiente”, no entanto, talvez já não pensemos mais em seu significado. O que você entende sobre a palavra “meio”? Considera apenas como um sinônimo de metade? Se for isto mesmo, a frase “não quero meio ambiente, quero inteiro” faz sentido para você? Este livro apresenta algumas visões e temáticas de que trata as ciências ambientais. Vamos desde a gestão ambiental, incluindo da água, estudos sobre a nossa biodiversidade e perigos da contaminação do ambiente por medicamentos, passando por comportamentos alimentares, especialmente, o veganismo, racismo ambiental, redes sociais, até a discussão da sustentabilidade em relação à moda.

Genética, consultoria ambiental, administração pública... Tudas essas podem ser áreas de atuação de um biólogo! Seja como consultor, cientista ou educador, este profissional pode atuar em diferentes nichos. Entre os assuntos tratados, está a atuação dos biólogos na Universidade, em áreas como botânica, ecologia, biologia molecular e microbiologia; licenciamento ambiental/consultoria ambiental; atuação em empresas, terceiro setor e na administração pública; na educação (professores de biologia e de ciências e educadores em instituições educacionais não-formais) e na divulgação científica. Venha descobrir como as possibilidades são amplas nesta profisão!

Além do aprofundamento no pensamento de Louis Althusser esta obra aborda, em particular, a teoria de Nicos Poulantzas. A relação entre Estado, classes sociais e bloco no poder, as diferentes fases imperialistas e as novas formas de dependência, a relação entre democracia e socialismo são alguns dos temas que este autor abordou. Quais foram os limites de alguns conceitos elaborados por Poulantzas? Há contradições no interior do seu pensamento? O que foi apresentado como ideia original, mas não foi desenvolvido? Como um determinado conceito pode ser usado para pensar distintas formações sociais? Estas questões perpassam o conjunto destes capítulos, que expressam reflexões e de produções originais que vem sendo desenvolvidas ao longo de vários anos.

Fim do conteúdo da página